Qua. Ago 3rd, 2022
produtos de investimento criptográfico de curto prazo

Os bancos espanhóis continuam relutantes em lançar produtos de investimento em moeda criptográfica, com excepção do Banco Santander, cuja presidente Ana Botín anunciou que o banco está a finalizar os detalhes dos seus ETFs bitcoin (fundos negociados em bolsa).

“Somos um líder em moedas criptográficas. Emitimos o primeiro título na cadeia de bloqueio. Temos uma equipa forte a trabalhar nisso (…). Os nossos clientes querem comprar bitcoins, mas temos sido relativamente lentos a adoptá-los por causa de questões regulamentares. Agora vamos oferecer ETFs de moedas criptográficas”, disse Botín à Bloomberg.

O banco ainda não forneceu mais detalhes sobre este novo produto, embora já esteja em funcionamento há algum tempo, tal como outros bancos espanhóis.

O lançamento de um futuro bitcoin ETF nos Estados Unidos em meados de Outubro abalou os mercados e fez subir o preço da moeda criptográfica acima dos seus máximos de todos os tempos estabelecidos em Abril passado.

No entanto, fontes da Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) confirmaram à Europa Press que ainda não foi registado nenhum produto deste tipo em Espanha, enquanto que a comercialização de produtos de fora da União Europeia (UE) requer a autorização da autoridade de supervisão e o registo dos gestores dos fundos e dos fundos a serem comercializados nos registos administrativos correspondentes.

O BBVA fez algumas incursões no mundo dos criptoassets, embora ainda não tenha lançado um produto como o proposto pelo Santander. No final de 2020, o banco lançou um serviço comercial na Suíça para a compra, venda e custódia de activos digitais para clientes de bancos privados, permitindo-lhes gerir transacções de bitcoin e deter depósitos na divisa criptográfica.

Contudo, o serviço está limitado à Suíça, uma vez que o BBVA considera que o país tem “um ecossistema de cadeia de bloqueio muito avançado, onde existe uma regulamentação clara e uma grande aceitação destes bens digitais”, tal como explicado a fontes do banco Europa Press.

Contudo, o banco advertiu que o serviço não oferece conselhos sobre o investimento em moedas criptográficas, mas limita-se a uma função “intermediária” para aqueles que querem valorizar e investir em moedas criptográficas.

O banco, presidido por Carlos Torres, acredita que é importante explorar o potencial de valorização de activos como uma grande inovação que poderia ter um impacto transformador nos mercados de capitais e no intercâmbio de qualquer valor ou dados.

O CaixaBank ainda não oferece quaisquer serviços relacionados com as moedas criptográficas, embora reconheça que esta é uma área que está a estudar e, por conseguinte, aguarda os avanços tecnológicos e regulamentares.

“Estamos a acompanhar de perto esta questão, bem como outras tecnologias que estão actualmente a trazer um elevado nível de inovação para a indústria a nível internacional. Estamos a estudar esta tecnologia e estamos também a acompanhar de perto os desenvolvimentos regulamentares e os movimentos dos bancos centrais em moedas digitais, mas não é um serviço que oferecemos actualmente aos clientes”, explicou o banco.

O Banco Sabadell também é “cauteloso” com este tipo de activos e fontes próximas do banco explicou que não está a considerar introduzir este tipo de produtos até que sejam mais regulamentados.

No caso do Bankinter, o banco não recomenda aos seus clientes que invistam em criptoassets, mas acredita que a cadeia de bloqueio “está aqui para ficar” e “tem inúmeras vantagens”.

“No banco, fazemos a distinção entre dois conceitos. A primeira é a tecnologia de cadeia de bloqueio, que veio para ficar e tem inúmeras vantagens, a mais importante das quais é a rastreabilidade dos bens. E depois há o conceito de moedas criptográficas, que é um bem puramente especulativo, e devido a esta característica e porque não está regulamentada, no Bankinter não a recomendamos aos nossos clientes”, disse a CEO do banco, María Dolores Dancausa, quando recentemente questionada sobre esta questão.

No entanto, disse que se alguma vez decidissem lançar um produto neste sentido, fá-lo-iam a partir do seu banco digital EVO.

ETFs: a ferramenta certa?

62% dos inquiridos dos EUA no inquérito de bens digitais da Fidelity são neutros ou positivos sobre ETFs de bitcoin, enquanto 30% dos inquiridos disseram que gostariam de investir em moedas criptográficas através de um produto de investimento.

Como mostram os números, estes produtos de investimento centrados na moeda criptográfica têm sido recebidos com muito optimismo pela comunidade da moeda criptográfica, mas não estão sem os seus detractores.

“O valor das primeiras ETFs de bitcoin é que permitem o acesso a mais investidores que preferem um instrumento mais tradicional que conhecem bem e que podem incluir juntamente com outros investimentos na sua carteira. No entanto, para aqueles que o podem fazer comprando directamente bitcoins, estes primeiros ETFs não são muito eficientes porque as taxas que cobram e o investimento através de futuros afectam o retorno do activo subjacente, o que é prejudicial para o investidor”, diz Ramiro Martínez-Pardo, CEO da plataforma HeyTrade, em declarações à Europa Press.

Emanuele Giusto, autor do livro “Crypto Jungle”, explicou no seu comentário que o lançamento de tais produtos poderia ser um “cavalo de Tróia” para investidores que procuram entrar no mundo das moedas criptográficas.

“O mundo da moeda criptográfica tem estado à espera da aprovação da ETF, mas não de futuros, mas de spot. Esta não é a melhor ideia para entrar no mundo das moedas criptográficas. É mais fácil e mais rentável entrar directamente numa troca, de preferência descentralizada, e comprar bitcoin com um clique e pagar uma comissão infinitesimal”, disse ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.