Dom. Jul 31st, 2022
O investimento e os seus conselhos envenenados


Os media sociais são um ninho dos chamados especialistas da bolsa de valores que dão conselhos envenenados que podem roubar-lhe muito dinheiro.

“Quer aprender a ganhar rendimentos e a ter uma vida extraordinária? Este tipo de anúncios aparecem na Instagram, neste caso numa conta com 989.000 seguidores, e pessoas mais ou menos famosas distribuem conselhos como doces. “É assim que se consegue um bom negócio, vai-se para casa a chorar no mercado de moedas criptográficas”. Esta frase ressoa fortemente noutro vídeo viral, desta vez no YouTube, de outro suposto perito, que usa o suposto verbo aguantar, que na linguagem convoluta daqueles que apostam em moedas criptográficas significa algo como: manter a calma e não vender mesmo que o mercado caia.

Qualquer pessoa com conhecimentos financeiros pode sugerir fazer um investment, embora as regras da DMIF II exijam qualificações e experiência mínimas para consultores financeiros, confirmadas por certificados como os emitidos pela EFPA. Discutir a possibilidade de comprar ou vender acções de uma empresa não constitui abuso de mercado, mas a verdade é que os conselhos envenenados são frequentemente dados, o que se espalha rapidamente através das redes e pode ter um impacto no preço das acções. Este foi o caso em Janeiro passado no ataque a membros do fórum dos EUA conhecido como o caso Reddit.

Há algumas semanas, a CNMV publicou uma declaração da Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA). O regulador da UE, que recordou que qualquer pessoa que pretenda investir em instrumentos financeiros da UE (acções ou obrigações) e que dirija recomendações ao público em geral deve seguir determinadas regras. Estas linhas vermelhas estão estabelecidas no regulamento de 2016. Define que a divulgação de informação falsa ou enganosa através da Internet, “incluindo através de sites ou blogs de redes sociais não reconhecidos, deve ser considerada como abuso de mercado, tal como quando cometida através de canais de comunicação mais tradicionais”.

Melhor conselho envenenado: Comprar primeiro, recomendar depois

O mais comum é o método clássico: utilizar o acesso ocasional ou regular a meios digitais para aconselhar os outros sobre onde gastar as suas poupanças depois de ter tomado uma posição no instrumento recomendado, e depois liquidar a posição quando o stock sobe. Ou, pelo contrário, para os forçar a descer se tiverem uma posição curta. É engano se o conflito de interesses não for revelado ao público de uma forma “razoável e eficaz”.

O Director Geral de Mercados da CNMV, Ángel Benito, explicou no fórum de 3 de Novembro que “aqueles que preparam ou divulgam recomendações de investimento devem agir com a devida diligência para assegurar que a informação seja apresentada de forma objectiva”. E isto aplica-se a analistas independentes, empresas de investimento, instituições de crédito ou pessoas cuja actividade principal é emitir recomendações de investimento. Também inclui os chamados “peritos ou pessoas que afirmam ter conhecimentos especializados em finanças”.

A forma sob a qual as recomendações são apresentadas pode variar: uma nota escrita tradicional, uma apresentação, vídeo, áudio ou as redes sociais acima mencionadas. O regulador explica que a identidade do perito deve ser comunicada “clara e proeminentemente” e a análise deve “distinguir factos de interpretações” – o que nem sempre é o caso – e indicar as fontes da informação, quais são as previsões e a data e hora da análise. Outras obrigações devem também ser consideradas, tais como explicar a metodologia utilizada para chegar a determinadas conclusões, explicar o significado da avaliação ou enumerar as recomendações anteriormente emitidas.

A CNMV persegue práticas de abuso de mercado (abuso de informação privilegiada e manipulação de mercado), mas não publica dados desagregados sobre casos iniciados para recomendações de investimento ou sobre penalidades impostas a indivíduos por apresentarem recomendações enganosas. Em 2019, por exemplo, impôs uma multa de 15.000 euros a um indivíduo por ter divulgado conselhos em 2016 sem se identificar devidamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.