Ter. Out 4th, 2022
O Governo encerra o plano de investimento sem a extensão do El Prat

O tempo acabou. E o multimilhão investimento de Aena na expansão de El Prat foi definitivamente adiado devido à falta de acordo político na Generalitat. Esta terça-feira, o Conselho de Ministros aprovará o DORA, o plano de investimento para 2022-2026, e os 1.700 milhões de euros que tinham sido preparados para El Prat não constarão do documento. Nas últimas semanas houve tentativas de aproximação política e alguns sectores, especialmente a associação patronal Foment, liderada por Josep Sánchez Llibra, tentaram evitar perder este dinheiro, mas não houve espaço para negociação.

Já estava claro na reunião entre Pedro Sánchez e Pere Aragonès há menos de quinze dias que não havia consenso interno na Generalitat. Principalmente porque a ERC tinha rejeitado a extensão acordada no Verão pelo governo e pela vice-presidência da Generalitat nas mãos de Jordi Puigner of the Junts. Alguns grupos, como o PDeCAT, continuam a exercer pressão e ontem, segunda-feira, uma proposta não legislativa foi aprovada no Congresso com os votos dos PP e C em que pedem mais negociações, mas o plano está encerrado esta terça-feira durante cinco anos.

O documento, que inclui um plano de investimento para todos os aeroportos espanhóis para os próximos anos, incluirá um item para a expansão do aeroporto de Barajas, que apresenta um contraste político ainda maior. Em Madrid não há tensão ambiental e quase nenhum debate político, pelo que a distância entre El Prat e Barajas continuará a aumentar.

Tal como com a expansão de El Prat, o plano incluirá um investimento inicial de 179 milhões de euros na expansão de Barajas, que é apenas uma pequena parte do total previsto de 1 694 milhões de euros. O grande investimento virá em 2026, mas os planos já estão a começar a ser elaborados.

El Prat terá de esperar pelo menos cinco anos, embora o governo não esteja muito esperançado de que se chegue a um acordo político em algum momento na Catalunha. De facto, os engenheiros da Aena insistem que a expansão não pode ser realizada sem afectar de forma alguma a área protegida, como exigem a ERC e a Unidos Podemos. O investimento será suspenso.

No entanto, isto não significa que não haja dinheiro neste plano para El Prat e outros aeroportos catalães. Contudo, o documento limitar-se-á aos investimentos normais já previstos para melhorar o aeroporto, cerca de 250 milhões de euros ao longo de cinco anos.

Este dinheiro será essencialmente dividido em três acções que são consideradas essenciais. Por um lado, há o trabalho de ressurgir e melhorar a superfície da pista, uma intervenção que é regularmente necessária para mitigar o ruído e a agitação causados pela passagem dos aviões. Em Julho de 2017, devido ao mau estado da pista marítima, o trem de aterragem de um avião Vueling caiu num buraco que apareceu na pista.

Para além da remodelação, o sistema de tratamento de bagagem será adaptado às novas normas exigidas pela União Europeia. O terceiro grande pacote diz respeito a melhorias no funcionamento do Terminal T1. Os filtros de segurança e balcões de check-in serão expandidos para acelerar o check-in de passageiros em terra. Segundo a Aena, o antigo contrato da DORA, ainda em vigor, previa um investimento de 157 milhões de euros para Barcelona.

A aprovação na terça-feira do projecto DORA pelo Conselho de Ministros encerra assim o debate sobre o investimento mais importante levantado até agora pelo governo catalão de Pedro Sánchez. Contudo, o governo está a preparar muitos outros que pretende concluir no quadro das negociações orçamentais em curso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.