Qui. Jul 28th, 2022
Portas abertas à inovação em boa companhia

As grandes empresas espanholas foram e são a força motriz por detrás de innovation, mas o seu papel está a mudar. “Tradicionalmente, as grandes empresas inovavam porque tinham os recursos, mas nos anos 90 começaram a perceber que isto não era sustentável, que a sua capacidade era muito limitada”, diz Santiago Descarrega, CEO da Fitalent, parte da NTT DATA. Pouco a pouco, novas formas de fomentar a inovação fora de casa e de uma forma mais rentável estão a surgir. “É uma forma de diversificação, criando pólos de inovação para cada uma das grandes empresas separadamente”, acrescenta ele. No século XXI, começaram a surgir programas de inovação abertos baseados na colaboração com pessoas e organizações externas à empresa.

Após os últimos dois anos, as empresas espanholas estão a levar a inovação sistemática muito mais a sério. Já não é desejável, mas sim obrigatório. Está agora na agenda dos CEOs e conselhos de administração, desde o CIO ao director de estratégia, marketing e recursos humanos”, diz Clara Jiménez, directora de inovação no escritório espanhol da Accenture. Antes da pandemia, a inovação estava muito concentrada na criação de novos bens e empresas, enquanto que “agora estamos muito mais concentrados na escalada e industrialização”. O tempo das provas de conceito e dos projectos-piloto terminou.

Jiménez acredita que a inovação aberta é o único caminho a seguir, “mas isto é algo que as grandes empresas espanholas, tanto públicas como privadas, têm compreendido muito bem e têm vindo a fazer há 10 anos com mais ou menos sucesso”. No entanto, considera necessário, por um lado, reforçar as duas frentes deste modelo de inovação, incorporando mais centros científicos e tecnológicos que sejam muito confortáveis no seu status quo, mas que no entanto “forneçam os conhecimentos necessários para uma inovação mais diferenciada e mesmo disruptiva”. Por outro lado, o reforço da largura de banda de transmissão com as áreas de negócio das empresas, de modo a que a inovação realmente se desponte e tenha um retorno tangível. Ele assinala que mais de 90% das empresas IBEX e muitas empresas públicas têm mecanismos e/ou iniciativas relacionadas com o entreentreprise ecosystem. “Todos os anos, a maioria destas empresas identifica mais de 1.000 empresas espanholas em fase de arranque ou com operações no nosso país e analisa uma centena delas em busca de soluções inovadoras ou novos modelos de negócio e mesmo investimento“.

Mudança estratégica

Santiago Descarrega reconhece que no início, quando se tratava de inovação aberta, havia uma abordagem bastante voluntária, “o ecossistema também não estava muito preparado”. Hoje, a situação inverteu-se, com um número significativo de start-ups e universidades a prepararem-se. “A colaboração entre universidades e empresas é mais fluida e está a começar a mostrar resultados, novas estratégias estão a surgir”. Nota também uma diferença no comportamento das empresas no mundo de arranque. Enquanto antes procuravam a exclusividade, “agora as grandes empresas compreendem que a inovação tem de fluir e deixá-las ser livres porque a dada altura beneficiarão dessa inovação”. Por outras palavras, a inovação deixou de ser um domínio quase exclusivo das grandes empresas para ser uma inovação aprendida consistente, e “agora a inovação é menos dirigida, é criada pelo ecossistema e a sociedade junta-se a ela”, diz Descarrega.

Eric Viardot, professor de estratégia na EADA Business School, salienta que “uma forma de ter sucesso é comprar cada vez mais pequenas empresas inovadoras, e o modelo de inovação aberta, no qual as grandes empresas que são líderes de mercado compram empresas inovadoras de menor dimensão, está a apanhar o jeito”. Além disso, “aqueles que não são deixados para trás”. Há muitas diferenças entre sectores quando se trata de inovação. A saúde, por exemplo, é um exemplo claro de inovação aberta, onde existe colaboração público-privada. Noutros sectores, tais como os químicos, o oposto é verdadeiro e a inovação ainda é muito fechada. Ao contrário da crise anterior, existe agora muito dinheiro no mercado “investido na inovação”. Na opinião de Viardot, as grandes empresas não são grandes inovadoras per se porque têm os seus próprios modelos de negócio e “quando compram empresas inovadoras, apropriam-se de uma parte da inovação, mas não de toda ela”.

O papel do condutor

A Accenture salienta que as grandes empresas espanholas são e serão sempre o motor da cadeia de valor dos seus fornecedores para os seus clientes (se forem PMEs). Isto porque “eles têm os recursos financeiros e humanos para transformar os seus sectores através de projectos inovadores que tornam toda a cadeia mais competitiva”, diz Clara Jiménez. “Esta capacidade de ganhar tracção não se limita à inovação, mas também à digitalização e sustentabilidade. As grandes empresas estão a inovar em sectores como as telecomunicações, energia e finanças. No final do dia, todos eles querem fornecedores inovadores e querem que os seus clientes se saiam bem”, diz ela.

Um exemplo do poder inovador das grandes empresas espanholas é a Ferrovial. A empresa tem estado empenhada na inovação aberta há anos e “reconhece o grande potencial das empresas em fase de arranque”. Oferece a oportunidade de testar tecnologias e validar os modelos empresariais das start-ups através das suas numerosas infra-estruturas: “Trabalhar com entidades cujas estratégias empresariais contemplam horizontes semelhantes permite-nos co-criar o cenário do futuro e responder mais rápida e eficazmente aos desafios. A inovação aberta oferece assim a oportunidade de acelerar o processo de exploração e construção do futuro das infra-estruturas de transporte e da mobilidade”, dizem fontes da Ferrovial.

Em 2020, por exemplo, assinou 12 acordos de colaboração com universidades e centros de investigação e levou a cabo 38 projectos com startups. Participa regularmente com outras empresas nos desafios de arranque para encontrar as melhores start-ups em áreas e sectores específicos. Exemplos incluem o Concurso de Arranque da Construção 2021, 5 prinG e Madrid in Motion. Para além disso, lançou a plataforma de inovação aberta Foresight em 2020. A prova de que a I&D já não é uma raça longa e solitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.