Ter. Out 4th, 2022
Inovação e digitalização para responder aos desafios da sustentabilidade

A emergência climática, a necessidade de adaptação à transformação digital acelerada pela pandemia, e o compromisso com o novo contrato social global estabelecido pelo href=”https://www.un.org/sustainabledevelopment/es/objetivos-de-desarrollo-sostenible/” target=”_blank” data-type=”URL” data-id=”https://www.un.org/sustainabledevelopment/es/objetivos-de-desarrollo-sostenible/” rel=”noreferrer noopener”> Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) para 2030 estão a colocar a sustentabilidade na linha da frente da estratégia empresarial. Isto foi salientado pelos peritos reunidos na sessão “Sustentabilidade como estratégia de criação de valor a longo prazo”, organizada por Diálogos en La Vanguardia em colaboração com o EY.

A mesa redonda, realizada na semana passada no Círculo Ecuestre de Barcelona, foi “uma demonstração do compromisso com a sustentabilidade em todo o espectro empresarial, quer sejam empresas cotadas na bolsa, empresas familiares centenárias ou start-ups”, de acordo com Joan Tubau, sócio responsável pela auditoria no Círculo Ecuestre de Barcelona e co-organizador do evento juntamente com Antonio Capella, sócio responsável pela sustentabilidade na mesma empresa profissional.

Grandes e pequenos

Os participantes concordaram com o compromisso de sustentabilidade em todo o espectro empresarial.
A eles juntaram-se a Cellnex CFO José Manuel Aisa, Sorigué CFO Jordi Gil, Girbau Presidente e CEO Mercè Girbau, La Farga CEO Inka Guixà, e Joatham-John Grange Sabaté, fundador e CEO da Enerside Energy.

Antonio Capella salienta que as tendências de sustentabilidade “desempenham um papel cada vez mais importante nos órgãos de governação devido à crescente procura dos interessados, ao compromisso com a Agenda 2030 e à digitalização da informação não financeira”.

EY recomenda que as empresas “definam uma estratégia, analisem o seu impacto financeiro e resiliência, racionalizem os processos de produção e sejam transparentes, porque os investidores, accionistas e mercados estão convencidos de que a sustentabilidade terá um impacto positivo e querem ser informados sobre ela”, diz Joan Tubau.

A procura dos investidores é importante”, concorda Cellnex CFO José Manuel Aisa. Os accionistas “querem saber em pormenor cada plano específico, por exemplo, sobre a pegada de carbono ou a instalação de painéis solares nas torres”. Explica o CFO deste operador de infra-estruturas de telecomunicações, fundado há seis anos e cotado na bolsa espanhola e incluído nos índices Ibex 35 e EuroStoxx 100.

Os objectivos de sustentabilidade já são centrais na estratégia e proporcionam vantagens competitivas.
José Manuel Aisa vê a sustentabilidade como “uma verdadeira mudança na tomada de decisões”. “Somos obrigados a apoiá-lo e levamo-lo muito a sério”, insiste, apontando a presença da empresa nos principais índices de sustentabilidade, tais como o Carbon Disclosure Project, Sustainalytics, FTSE4Good, MSCI e Standard Ethics.

A sustentabilidade cria muitas oportunidades de negócio, como diz Joatham-John Grange Sabaté, fundador e CEO da Enerside Energy, que se concentra na “geração de energia renovável”. Ele acredita ter uma “vantagem”, pois a sua empresa “nasceu num campo verde” e faz parte de um sector que “irá liderar a mudança”, permitindo-lhe crescer a sua base de clientes enquanto se torna um “pólo de atracção de talentos”.

Consenso

Os investidores, accionistas e mercados estão convencidos de que a sustentabilidade terá um impacto positivo.
No entanto, salienta que embora o desempenho ambiental seja o “puro ADN” da empresa, esta deve também esforçar-se por cumprir a sua responsabilidade social e objectivos de governação. “Como estamos na energia solar, a parte ambiental é um dado adquirido para nós, mas desde 2013 que nos concentramos na governação empresarial, uma parte menos óbvia onde fizemos progressos significativos”.

Sublinha também que “os aspectos sociais são particularmente importantes quando se introduzem novas formas de geração de energia renovável, que têm um grande impacto nas comunidades locais a todos os níveis”. “Todos temos muito trabalho para fazer”, reconhece Grange Sabaté.

Regresso

As empresas com décadas de experiência a assistir ao encontro também colocaram a sustentabilidade no centro da sua estratégia, apontando para as vantagens competitivas que ela traz. “Se agirmos eticamente, obtemos um retorno. Ajuda a encontrar talento e investimento“, sublinha o Director de Governação e Finanças de Sorigué.

Contudo, Jordi Gil salienta que esta posição privilegiada “não é alcançada de um dia para o outro”. Mesmo aqueles que o têm “nos seus genes”, como é o caso desta empresa municipal de serviços e construção com mais de 65 anos de história e uma equipa de mais de 4.500 pessoas dedicadas à economia circular e às energias renováveis, não têm de “avançar ainda mais” na sustentabilidade.

Impacto positivo

Segundo o presidente e CEO da Girbau, “explicar o objectivo de criar um impacto positivo nas pessoas e no planeta” é o primeiro passo para se avançar. Segundo Mercè Girbau, “a sustentabilidade está intimamente ligada a innovation“. No seu caso, ela concentra-se principalmente na “utilização de equipamento de lavagem industrial pelos clientes”, “co-inovando com os clientes ou em projectos conjuntos com o sector têxtil para dar uma segunda vida ao vestuário”, revela a empresária.

Glasgow tem de fornecer o quadro regulamentar necessário para financiar empresas.
La Farga, a gerente geral, Inka Guixà, salienta que no seu negócio familiar, com 213 anos de história, o conceito é “muito interno”. Ela define a sua empresa como “uma indústria metalúrgica que trabalha com cobre, que é um material 100% reciclável”. O “ponto de viragem” que o fez “quebrar o molde” e oferecer este material no mercado foi a “falência” da sua empresa nos anos 80, da qual conseguiu emergir “com base na sustentabilidade e inovação”.

La Farga quer agora “ir um passo mais longe” e “convencer a indústria” das vantagens deste material, revela Inka Guixà. “Todos pensam na descarbonização, mas é muito difícil mudar os materiais”, lamenta. De acordo com esta directiva, é difícil expressar a ideia de que “as actividades sustentáveis nem sempre têm um retorno económico”. “Temos de estar dispostos a perder, porque este desafio exige um esforço brutal”, adverte ela.

Organizado por

A mesa redonda foi, nas palavras de Joan Tubau, “uma demonstração do compromisso com a sustentabilidade em todo o espectro de empresas, desde empresas cotadas em bolsa a empresas familiares centenárias e empresas emergentes”.
A pandemia tornou-se um “espelho” que mostrou a empresa “a perder-se na procura do mais barato do outro lado do mundo”, lamenta o director-geral da La Farga. Guixà acredita que agora “as coisas vão começar a mudar” e que “os fundos europeus podem ser uma oportunidade brutal se se procurar um impacto real”, sublinha, ao mesmo tempo que é a favor de “forçar a mudança através da legislação”.

As decisões tomadas na Cimeira de Glasgow “irão criar um quadro regulamentar”, prevê Joan Tubau, parceiro do Ano Europeu responsável pela auditoria. O perito aguarda estas obrigações com optimismo porque “o mundo financeiro exige regras claras e estáveis a fim de ter um ambiente seguro a longo prazo e de poder fazer previsões”.

As empresas espanholas estão cada vez mais conscientes dos critérios ESG e cumprem-nos.
“Cada vez menos empresas negligenciam a sustentabilidade, porque o mundo financeiro, que quer minimizar os riscos e procurar oportunidades, é cada vez mais exigente nas questões ESG (Environmental, Social and Governance). Está a tornar-se um grande catalisador”, diz Antonio Capella, parceiro responsável pela sustentabilidade, ao qual a Aisa acrescenta que também é necessário unificar “critérios contabilísticos que nos façam falar todos a mesma língua em sustentabilidade”.

O sector financeiro “mexeu-se porque as pessoas o queriam”. Se as pessoas o pedirem, tudo vai contra a maré”, sublinha Mercè Girbau. “A receita para alcançar a sustentabilidade envolve “tecnologia, inovação e um verdadeiro enfoque social para ser mais rentável, atrair mais talento e ser competitivo”. Estamos perante o maior desafio que a humanidade tem enfrentado desde a sua criação”, conclui Joan Tubau.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.