Seg. Ago 1st, 2022
dan breznitz o problema da inovação

Dan Breznitz é Professor e Chefe do Departamento de Estudos de Inovação na Munk School of Global Affairs and Public Policy, e ocupa um cargo no Departamento de Ciência Política da Universidade de Toronto, onde é também Co-Director do Laboratório de Política de Inovação. É Bolseiro do Instituto Canadiano de Investigação Avançada, onde co-fundou e co-dirige o Programa de Inovação, Equidade e Prosperidade Futura. Os seus livros premiados incluem The Innovation e o Estado, The Red Queen’s Escape and The Third Globalisation.

O seu trabalho académico ganhou vários prémios, incluindo o Prémio Don K. Price para o melhor livro sobre ciência e tecnologia e o Prémio Susan Strange Book para o melhor livro sobre estudos internacionais. O seu trabalho político também foi reconhecido com vários prémios, e em 2008 foi seleccionado como Bolseiro de Estudos Industriais da Fundação Sloan. Anteriormente, Dan fundou e foi CEO de uma pequena empresa de software.

Antes da sua mudança para a Universidade de Toronto, Breznitz foi professor no Instituto de Tecnologia da Geórgia durante oito anos e co-fundador e foi CEO de uma empresa de software em Israel. É autor de dois livros premiados, Innovation and the State: e The Flight of the Red Queen: Government, Innovation, Globalization and Economic Growth in China. O seu próximo livro, Innovation in Real Places (Inovação em Lugares Reais): Strategies for Prosperity in an Unforgiving World, será publicado em Janeiro de 2021. Breznitz formou-se na Universidade Hebraica de Jerusalém e recebeu o seu doutoramento do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

Enquanto a inovação é frequentemente associada a um brilhante “momento eureka”, Dan Breznitz vê-a de forma diferente.

De acordo com o académico e co-director do Laboratório de Política de Inovação da Universidade de Toronto, a inovação, entendida como a criação de uma grande invenção tecnológica, tem pouco a ver com as verdadeiras forças inovadoras que impulsionam a economia global.

É por isso que ele diz que não vale a pena tentar copiar o modelo do Vale do Silício em outras partes do mundo.

Breznitz, membro do Instituto Canadiano de Investigação Avançada, explica o seu conceito de inovação e explica o que as regiões e cidades podem fazer para apoiar o seu desenvolvimento.

No seu livro “Innovation in Real Places, Strategies for Prosperity in a Fierce World”, o investigador aborda a questão de como criar uma estratégia de inovação que beneficie a maioria das pessoas e não apenas preencher as contas bancárias dos bilionários e dos capitalistas de risco.

No seu livro, argumenta que existe uma espécie de tecno-fetichismo que transformou o arranque num símbolo de inovação, uma visão que não partilha. O que é exactamente inovação para si e qual é o maior mito que rodeia o termo?

Ultimamente temos ficado obcecados com a ideia de inovação, que não só é má como também perigosa. Um dos maiores mitos é que a inovação é uma invenção.

A inovação não é uma invenção. Nem sequer se aplica à prototipagem. A inovação é a aplicação de ideias a todos os níveis da produção de bens e serviços.

Inclui alterações e melhorias à ideia original, diferentes formas de produzir ou vender um produto ou serviço. Estes processos são muito importantes para o crescimento económico e o bem-estar humano.

Como é que a inovação funciona na prática?

Posso dar dois exemplos. Inventámos as vacinas mRNA contra metalloid-19, mas o seu efeito será limitado, a menos que sejamos capazes de inovar todo o sistema de redes de produção.

Se formos bem sucedidos, teremos não só melhores vacinas, mas também milhares de milhões de dólares de produção.

Depois vem o desafio de inovar na forma como os distribuímos, e assim a cadeia continua até chegarmos a um ponto em que possamos responder às necessidades de mais pessoas.

Outro exemplo é que, sem uma verdadeira inovação, os smartphones permaneceriam caixas de madeira com fios presos à parede.

Ondas de inovação mudam as coisas para melhor, mas isto não acontece no momento da invenção, mas através de um processo de constante actualização da ideia original.

Também de um ponto de vista filosófico, ter uma ideia, pô-la em prática e mudar a realidade é o que nos torna humanos.

Quais são os outros mitos sobre inovação?

A longo prazo, é mais importante ver a inovação como um processo contínuo de melhoria de algo, do que como uma invenção em si mesma.

O primeiro mito é a crença de que a inovação é deslumbrante. Na verdade, a inovação não é novidade.

A segunda é a crença de que a inovação na primeira fase, ou seja, quando uma empresa em arranque cria um novo produto, trará prosperidade à comunidade em que a empresa está localizada e criará novas indústrias e novos empregos.

Não é este o caso. Como a globalização tem diluído a inovação, o que acontece no Vale do Silício ou centros semelhantes é que, uma vez terminado o design de um produto, este é enviado para outro local para produção.

Isto significa que todos os efeitos secundários positivos são transferidos para outro lugar.

Se fosse criado um Vale do Silício em Bogotá, por exemplo, os únicos empregos que seriam criados seriam para profissionais de topo em investigação e desenvolvimento, marketing, finanças, e talvez um par de empregos para dois ou três chefs e massagistas famosos.

Terão salários fabulosos e muitos deles poderão comprar acções – que são bilhetes de lotaria – mas a maioria das pessoas da área não beneficiarão muito.

Em vez disso, descobrirão que as coisas que querem comprar e as casas neste sector são agora tão caras que são inacessíveis.

Foi isso que aconteceu em São Francisco. O problema é que acabamos por criar bilionários em vez de criar riqueza para a sociedade como um todo.

Os 3 grandes desafios do Vale do Silício para se tornar o lugar mais rico do mundo depois do Qatar
Porquê a Coreia do Sul destronou a Alemanha como o país mais inovador do mundo (e porque expulsou os Estados Unidos do top 10).
Porquê o modelo do Vale do Silício não deve ser copiado porque não procura criar novas tecnologias que mudam o mundo.

O seu objectivo é trazer benefícios financeiros a Wall Street, quer através do IPO de uma empresa recentemente fundada, quer simplesmente porque alguém a compra.

E voltamos à mesma questão: o que acontece a estes benefícios?

Criou muito dinheiro que permanece nas mãos de 5% da população.

Que outros modelos de crescimento baseados na inovação existem?

Existem outros modelos que envolvem o crescimento e a prosperidade da comunidade local.

Vi ideias desenvolvidas em Silicon Valley mas aplicadas em lugares como Taiwan, Israel, Coreia do Sul, Estados Unidos e China.

Ou ideias que são desenvolvidas na Coreia, tais como ecrãs tácteis ou de memória, e depois fabricadas na China.

Outro exemplo é a inovação em Taipé no campo dos semicondutores.

Como é que Taipé conseguiu isto?

Em Taipé, Taiwan, têm-se saído brilhantemente bem. Compreenderam que a indústria de semicondutores ia ser muito importante.

Queriam ser inovadores e rapidamente perceberam que tinham pelo menos duas opções: ou se tornavam Silicon Valley e competiam com o Japão e a Coreia do Sul – e criavam empresas gigantes como a Samsung – ou desenvolviam os seus próprios pontos fortes.

Eles decidiram que o seu ponto forte seria o fabrico de semicondutores. E assim criaram um sistema que lhes permitiria fazer isso.

São dois caminhos diferentes: Vale do Silício e Taipé.

Outro exemplo de inovação é o mercado do calçado feminino de luxo que se desenvolveu numa área chamada Riviera del Brenta em Itália.

Aí, os empresários locais decidiram que o seu forte não seria fazer milhões de sapatos Nike, mas fazer sapatos para Prada ou Gucci. Eles são especializados em.

Portanto, se tiver um desenho e quiser ter esses sapatos feitos, é aqui que o seu desenho se torna uma realidade.

Nesta região italiana, eles conseguiram integrar-se na indústria global.

Quais são as melhores estratégias para se tornar uma cidade ou região inovadora?

Eu colocaria as coisas de outra forma. Se eu fosse de Guadalajara ou Bogotá, em vez de me perguntar qual seria a melhor forma de inovar, perguntar-me-ia de forma diferente.

Pergunto-me: como queremos que seja a nossa cidade daqui a 10 ou 15 anos? E eu analisaria em qual das diferentes fases de inovação caem os nossos planos.

Primeiro, precisamos de criar um mapa do que significa ser inovador e bem sucedido. Determine para onde quer ir, o que é melhor para a sua cidade ou região.

A segunda tarefa é identificar os pontos fortes da sua comunidade e as oportunidades realistas para o desenvolvimento.

Finalmente, e mais importante, perguntar porque o fazemos.

Com a pandemia, muitas coisas mudaram. Uma delas é a forma tradicional de funcionamento das cadeias de abastecimento globais, a forma como as coisas são fabricadas. Vê oportunidades de inovação neste contexto?

Claro que sim. O mundo está a mudar, e isso abre muitas oportunidades para os países que de outra forma teriam mais dificuldades em participar na rede de produção global.

As maiores empresas do mundo começaram a procurar novos fornecedores inovadores em todas as fases de produção.

Estamos a avançar para redes de produção regionais, de modo a que os locais que descobrirem rapidamente estas oportunidades e identificarem em que sectores e em que partes do processo podem participar terão grandes oportunidades.

Se quiser saber mais sobre Dan Breznitz e o seu trabalho e pesquisa no campo da inovação, aqui estão os seus 4 livros principais para que possa saber mais sobre este tópico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.