Seg. Ago 1st, 2022

A criação de uma empresa na Europa dá-lhe acesso automático a um dos maiores centros empresariais do mundo, com uma infra-estrutura sólida, forte protecção jurídica e uma mão-de-obra qualificada A UE é a segunda maior economia do mundo, com um PIB nominal de 15,6 triliões de dólares, e continua a ser o maior bloco comercial. O ranking “Ease of Doing Business” do Banco Mundialcoloca nove países europeus entre os 20 primeiros em 2020. Como resultado, a Europa continua a ser uma das opções mais atractivas para o investimento internacional e a criação de empresas.

Fazer negócios na UE dá-lhe acesso a um mercado único sem restrições para importações e exportações, mão-de-obra qualificada a preços justos, baixos custos comerciais e uma moeda única. Todos os países da UE têm níveis extraordinários de incentivos económicos e fiscais para empresários no país e no estrangeiro, mas aqui estão os países da UE de topo em cada categoria do Banco Mundial.

Os três primeiros países europeus em cada categoria, por ordem decrescente de pontuação.

  • Facilidade de fazer negócios: Dinamarca, Suécia e Lituânia.
  • Iniciar um negócio: Grécia, Estónia e Irlanda.
  • Tributação: Irlanda, Dinamarca, Finlândia.

Com base nestes e outros critérios, aqui estão cinco países a considerar quando se cria uma empresa na UE.

Suécia

De acordo com a lista da revista Forbes “Best Countries for Doing Business”, a Suécia encabeça a lista dos países soberanos da UE. A sua grande e competitiva economia de mercado livre e a sofisticada combinação de sistemas sociais maduros fazem dela um destino de investimento forte, rico e atraente, com uma taxa média de crescimento do PIB de 2,71 e o maior excedente da balança de transacções correntes da Europa, actualmente a 4% do PIB. O investimento no sector da construção é o que mais estimula a economia, e o investimento estrangeiro é mais bem-vindo. De facto, a Suécia continua a ser um dos principais destinatários do investimento estrangeiro. Sendo o maior mercado na Escandinávia, a Suécia pode oferecer oportunidades de mercado únicas… Pode também oferecer às empresas instalações de investigação de classe mundial e infra-estruturas bem desenvolvidas. O governo planeia investir 56 mil milhões de euros no desenvolvimento de infra-estruturas ao longo dos próximos 10 anos.

Os cidadãos de fora da UE/EEA (União Europeia ou Espaço Económico Europeu) que criem uma empresa ou companhia na Suécia devem primeiro obter uma autorização de residência a fim de poderem residir legalmente na Suécia. Como em outros países da UE, não é necessária uma licença de trabalho. Para obter uma autorização de residência, deve provar que possui pelo menos 50% do negócio e que é rentável e capaz de o sustentar a si e à sua família. Deve também demonstrar que é experiente, qualificado para gerir o negócio e que dispõe de capital suficiente para o pôr em marcha. Deverá apresentar um plano de negócios detalhado, que será revisto pelo Departamento de Imigração. Se for aprovado, ser-lhe-á concedida uma autorização de residência probatória de dois anos.

criação de uma empresa na europa suécia estocolmo

Dinamarca

O Banco Mundial classifica a Dinamarca em primeiro lugar na Europa em termos de “facilidade de fazer negócios”. O seu sistema económico é semelhante ao da vizinha Suécia, com uma economia de mercado e fortes programas sociais. Apesar do seu enfoque no bem-estar social, é o sétimo país mais pró-capital do mundo. Para além da facilidade de entrada de investidores estrangeiros, a Dinamarca tem algumas vantagens únicas em termos de recursos humanos. Em primeiro lugar, a Dinamarca tem um grande número de profissionais multiculturais, a maioria dos quais fala inglês. Em segundo lugar, graças à flexibilidade da legislação do país, o processo de contratação e despedimento é muito simples e evita a maior parte dos procedimentos burocráticos familiares em alguns países ocidentais. A infra-estrutura também não é menos boa do que na Suécia. Em áreas específicas, a Dinamarca é um dos principais centros mundiais de biotecnologia e ciências da vida e um centro de inovação na indústria alimentar. Além disso, muitos sectores continuam a ser atractivos para o investimento, tais como a educação, os meios de comunicação e os transportes públicos. Taxas de juro baixas e crescimento económico estável encorajam as empresas a desenvolver, expandir e abrir operações na Dinamarca.

criação de uma empresa na europa dinamarca

República Checa

Para empresas em fase de arranque, empresas estabelecidas e filiais de empresas estabelecidas, a República Checa é uma estrela em ascensão. Como membro da União Europeia, o país está muito bem situado no coração da Europa. Tem uma das melhores redes de transporte da Europa Central e Oriental e é um importante centro de trânsito, comunicação e ligações entre a Europa e a Europa Ocidental, Oriental e Central. Tem também uma das taxas de imposto mais baixas da União. Para as empresas, um pagamento único pode reduzir a taxa de imposto única em 60%, com uma taxa de imposto efectiva de cerca de 6-9%. Alugar escritórios reais ou virtuais é também barato para os padrões mundiais, sendo os escritórios para aluguer em Praga 90% mais baratos do que em Hong Kong. Finalmente, a República Checa tem a taxa de desemprego mais baixa da Europa (1,91%). Muitos dos trabalhadores qualificados são funcionários de língua inglesa, o que pode ser uma grande vantagem para o desenvolvimento do seu negócio. A LEAF tem uma longa história de ajudar empresas internacionais a entrar em novos mercados, e na COVID-19 ajudámos cinco start-ups a entrar na Europa. A República Checa é um destino de investimento atractivo porque tem mais escolha e mais espaço para expansão do que a Dinamarca ou a Suécia.

criação de uma empresa na europa república checa karlovy variam

Irlanda

O Banco Mundial nomeou a Irlanda como o país com o regime fiscal mais favorável em 2020. As empresas beneficiam igualmente de vantagens fiscais, com uma taxa de imposto sobre as sociedades de apenas 12,5%, uma das mais baixas da UE. O crédito fiscal combinado para as empresas é de 37,5%, o que constitui um incentivo importante para as empresas em fase de arranque. Enterprise Ireland, a agência de desenvolvimento económico nacional da Irlanda, investe em até 200 novas empresas orientadas para a exportação todos os anos. Tem também ligações com outros investidores irlandeses e pode ajudar a estabelecer relações com eles, se necessário. As start-ups irlandesas têm acesso a pessoal experiente e tecnicamente avançado, uma vasta gama de investidores, instalações de investigação e fabricantes e fornecedores para todas as necessidades empresariais. Antes da pandemia da COVID-19, a Irlanda desfrutava de um forte crescimento, com um crescimento do PIB de 5,6% em 2019 e um declínio de -2,3% previsto para 2020. Espera-se que a economia irlandesa recupere com um crescimento do PIB de 2,9% em 2021 e 2,6% em 2022.

criação de uma empresa na europa ireland dublin

Lituânia

A Lituânia é um país muito empreendedor e está constantemente à procura de novas formas de encorajar os investidores estrangeiros, a fim de aumentar a sua competitividade nos mercados ocidentais. A Lituânia, o maior dos Estados Bálticos, emergiu como uma economia de mercado livre desde o colapso da União Soviética e registou um crescimento fenomenal nas exportações, salários, comércio e investimento.Em 2019, os cinco maiores parceiros comerciais da Lituânia são a Rússia, a Letónia, a Polónia, a Alemanha e a Estónia. O Reino Unido e os EUA estão também entre os dez melhores países, e os EUA estão entre os dez melhores. representa 1,23 mil milhões de dólares das exportações da Lituânia. Em 2020, a “facilidade de fazer negócios” da Lituânia classificou-se em terceiro lugar na UE. Em Janeiro do mesmo ano, o governo lituano aprovou uma proposta para isentar empresas nacionais e estrangeiras do imposto sobre as sociedades, desde que investissem pelo menos 30 milhões de euros e criassem 200 postos de trabalho. Uma das principais razões pelas quais a Lituânia encoraja o investimento estrangeiro é que o governo procura apoiar as empresas que trazem mais empregos aos lituanos. No entanto, os lituanos são altamente qualificados, falam frequentemente várias línguas e são muito profissionais. Além disso, a mão-de-obra é relativamente barata, com um salário mínimo de 607 euros por mês.

criação de uma empresa na europa lituânia vilnius cidade velha

Outros países onde criar uma empresa na Europa

Como não conhecemos o seu negócio ou interesses, expandimos a lista e acrescentámos outros países da União Europeia onde poderia ser muito interessante iniciar um negócio, para que o clima ou a paisagem não o impeça de encontrar o seu lugar perfeito para iniciar um negócio. Dito isto, aqui está uma lista de outros países ideais para o empreendedorismo na Europa.

Bélgica

Para iniciar um negócio ou para trabalhar por conta própria, um estrangeiro deve obter uma carteira profissional, que é uma qualificação para exercer actividades económicas na Bélgica. A fim de obter uma licença, pode ser necessário fornecer provas de qualificações (formação, conhecimentos e experiência relevantes) e demonstrar o sucesso na área de especialização. Terá também de demonstrar que tem fundos suficientes para iniciar e sustentar o seu negócio. Se quiser criar uma empresa ou gerir a sua própria empresa na Bélgica, deve registar-se no Banque-Carrefour des Entreprises (BCE), o registo comercial nacional das pequenas e médias empresas e dos empresários em nome individual. Existem vários centros empresariais (guichets d’entreprises), empresas privadas de consultoria autorizadas pelo governo belga, que podem ajudá-lo a registar a sua empresa no BCE, obter as autorizações e os números de identificação fiscal necessários, e ajudá-lo com outras questões relacionadas com a criação de uma empresa e de um emprego independente.

criação de uma empresa na europa bélgica ghent

Alemanha

Os estrangeiros que desejem criar uma empresa na Alemanha podem obter uma autorização de residência se houver interesses económicos prioritários e procura local, espera-se que a actividade tenha um impacto positivo na economia e que o financiamento seja garantido. Os empresários estrangeiros podem obter uma licença se conseguirem provar que o seu negócio é bem sucedido, que a sua subsistência é estável e que têm rendimentos suficientes para “se reformarem” após 45 anos.

criação de uma empresa na europa alemanha berlim

Países Baixos

Os trabalhadores independentes e empresários não precisam de uma autorização de trabalho nos Países Baixos, mas precisam de uma autorização de residência (verlijf voor het verrichten van arbeid als zelfstandige) para trabalhar como trabalhadores independentes. Para obter esta autorização, o trabalhador independente deve provar que o seu trabalho independente contribui positivamente para a sociedade holandesa e/ou para a economia holandesa.

Em vez de uma autorização de trabalho, deve solicitar uma autorização de residência e provar as suas qualificações, o seu plano de negócios, o seu capital de arranque e a sua intenção de trabalhar por conta própria. Para determinar a sua elegibilidade para uma autorização de residência como trabalhador por conta própria ou empresário, a Comissão de Migração holandesa utiliza um sistema de pontos e tem em conta a contribuição da sua actividade para os Países Baixos. Como trabalhador por conta própria ou empresário, deve registar-se como tal.

criação de uma empresa na europa netherlands utrecht

Espanha

Os cidadãos não comunitários que desejem trabalhar por conta própria ou criar a sua própria empresa devem obter um cartão de residência a fim de poderem viver e trabalhar legalmente em Espanha. O seu pedido de cartão de residência será aprovado se puder provar que tem fundos suficientes para iniciar um negócio e que pode apoiá-lo. Deve também demonstrar que está qualificado para dirigir a empresa.

criação de uma empresa na europa espanha barcelona

Reino Unido

Se abrir um negócio no Reino Unido, deve ter pelo menos £200.000 para investir no negócio, mais fundos para se sustentar e à sua família até que o negócio seja rentável. Deve também controlar ou ter uma participação equivalente na empresa (no caso de uma sociedade de pessoas), ser empregado a tempo inteiro pela empresa e não pode reclamar benefícios governamentais ou obter emprego enquanto dirige a empresa. O Reino Unido também exige que a sua empresa crie dois novos empregos a tempo inteiro para residentes ou cidadãos britânicos.

criação de um negócio na europa reino unido liverpool

Ranking dos melhores países para a criação de uma empresa na UE

Os dados para os seguintes rankings são derivados da pontuação do Banco Mundial Ease of Doing Business. Os países foram seleccionados em três categorias: facilidade de fazer negócios, facilidade de criar um negócio e facilidade de pagamento de impostos. Todas as pontuações são calculadas numa escala de 100 pontos, sendo 100 a pontuação mais alta e 0 a mais baixa.

Países da UEFacilidade de fazer negóciosIniciar um negócioPagamento de impostos
Áustria78.783.283.5
Bélgica75.092.378.4
Bulgária72.085.472.3
Croácia73.685.381.8
Chipre73.49285.5
República Checa76.382.181.4
Dinamarca85.392.791.1
Estónia80.695.489.9
Finlândia80.293.590.9
França76.893.179.2
Alemanha79.783.782.2
Grécia68.49677.1
Hungria73.488.280.6
Irlanda79.094.494.6
Itália72.986.864
Letónia80.394.189
Lituânia81.693.388.8
Luxemburgo69.688.887.4
Malta66.188.276.2
Países Baixos76.194.387.4
Polónia76.482.976.4
Portugal76.590.983.7
Roménia73.387.785.2
Eslováquia75.684.880.6
Eslovénia76.59383.3
Espanha77.986.984.7
Suécia82.093.185.3

Taxas de imposto da UE

Os dados para a classificação abaixo são retirados de “Taxas de imposto na Europa” da Wikipédia, onde os países da UE são listados por ordem alfabética em três categorias: imposto sobre as sociedades, taxa de imposto sobre o rendimento e taxa normal de IVA. Os cinco países europeus com as taxas de imposto mais baixas são (por ordem) a Hungria, Bulgária, Chipre, Irlanda e Lituânia.

País da UEImposto sobre o rendimento das sociedadesA taxa máxima de imposto sobre o rendimentoTaxa normal de IVA
Áustria25%55%20% (Taxas reduzidas 10% + 13%)
Bélgica29% (25% a partir de 2020. Para as PME 20% a partir de 2018, sobre os primeiros 100.000 euros de lucro).50% (excluindo os 13,07% da segurança social paga pelo trabalhador e excluindo também os 32% da segurança social paga pelo empregador)21% (Taxas reduzidas de 6% e 12%)
Bulgária10%10% (12,9% adicionais do empregado para contribuições de segurança social, ou seja, seguro de saúde, fundo de pensões e de desemprego); e 17,9% adicionais do empregador para várias contribuições de segurança social).20% (Taxas reduzidas 9%)
Croácia18% (taxa reduzida de 12% para as pequenas empresas)40% (excluindo 35,2% do montante total do seguro cobrado sobre os rendimentos)25% (Taxas reduzidas 13% + 5%)(Taxas reduzidas 9%)
Chipre12.5%35%19% (Taxas reduzidas 5% + 9%)(Taxas reduzidas 9%)
República Checa19%53,5 % (15 % imposto sobre o rendimento + 6,5 % assalariado + 25 % empregador (2,3 % cuidados de saúde + 21,5 % segurança social + 1,2 % política de emprego do Estado) + 7 % contribuição solidária (assumindo rendimentos superiores a 1 277 328 CZK por ano)21% (taxas reduzidas de 15% e 10%)
Dinamarca22%51,95% (incluindo os 8% de segurança social pagos pelo trabalhador, mas excluindo os 0,42-1,48% de imposto eclesiástico cobrado aos membros da Igreja nacional da Dinamarca).25% (taxa reduzida 0% no transporte de passageiros e jornais que normalmente publicam mais do que uma edição por mês)
Estónia20% CIT sobre o lucro distribuído. 14% da distribuição regular. 0% sobre os lucros não distribuídos.20% (+ 2,4% imposto de seguro de desemprego, 0,8% pago pelo empregador, 1,6% pago pelo empregado e 33% segurança social que é pago antes do salário bruto pelo empregador) cerca de 57,8% no total20% (taxa reduzida de 9%)
Finlândia20%De 25% a 67% dependendo do rendimento líquido e do município, incluindo 7,8% das contribuições para a segurança social, o subsídio de desemprego do trabalhador e o subsídio de desemprego do empregador, que é em média 18% (2018).24% (taxa reduzida de 14% para mercearias e restaurantes, 10% para livros, medicamentos, transporte de passageiros e alguns outros)
França30% (incluindo contribuições sociais) depois de 2018 (“PFU”), antes: 33,3% (36,6% acima de 3,5 milhões de euros, 15% abaixo de 38 mil euros).49% (45% +4% para rendimentos anuais superiores a 250.000 euros para contribuintes solteiros ou superiores a 500.000 euros para casais casados) + impostos e contribuições sociais a diversas taxas, por exemplo 17,2% para mais-valias, juros e dividendos.20% (taxa reduzida de 10%, 5,5%, 2,1% e 0% para casos específicos tais como alguns alimentos, transportes, bens culturais, etc.)
AlemanhaDe 22,825% (em algumas pequenas cidades) a 32,925% (em Munique), dependendo do município. Isto inclui os 15% de IRC, a sobretaxa de solidariedade de 5,5% mais o imposto de comércio a pagar ao município.47,475%, que inclui 45% de imposto sobre o rendimento e uma sobretaxa de solidariedade de 5,5% sobre o total da factura fiscal para rendimentos superiores a 256.304 euros. A taxa do imposto de entrada é de 14% para rendimentos acima do limiar anual de base de 9.000 euros.19% (aplica-se uma taxa reduzida de 7%, por exemplo sobre a venda de certos alimentos, livros e revistas, flores, transporte)
Grécia28%65,67% (45% para >40.000 euros + 7,5% Imposto de Solidariedade para >40000 euros)+(26,95% Segurança Social para empregados ou até 47,95% para profissionais privados)24% (Taxas reduzidas de 13% e 5%)
Hungria9%33,5% Despesas do trabalhador como um todo do salário bruto sem filhos: 15% Imposto sobre o Rendimento (taxa fixa), Segurança Social: 10% Pensão, 3% em dinheiro + 4% em espécie Cuidados de Saúde, 1,5% Contribuições LaboraisEmpregador: 17,5% Contribuição Social, 1,5% Contribuição Laboral do salário mensal bruto27% (Taxas reduzidas 18% e 5%)
Irlanda12,5% para receitas comerciais25% para receitas não-comerciais40% de 34.550 euros para contribuintes solteiros, 42.800 euros para contribuintes casados, mais USC (Universal Social Charge) 4,5% sobre os rendimentos até 50.170 euros e 8% sobre os restantes. Segurança social 4%.23%
Itália27,9% (24% mais 3,9% municipal)45,83% (43% imposto sobre o rendimento + 2,03% imposto regional sobre o rendimento + 0,8% imposto municipal sobre o rendimento)22% (Taxas reduzidas 10%, 5%, 4%)
Letónia20% CIT sobre os lucros distribuídos. 0% sobre os lucros não distribuídos. 15% nas pequenas empresas20%(imposto sobre o rendimento) 35,09%(segurança social) Total até 55,09% Total até 55,09%(imposto sobre o rendimento) 35,09%(segurança social)21% (taxas reduzidas 12% e 0%)
Lituânia15% (5% para pequenas empresas)44,27% (taxas de imposto efectivas: 34,27% segurança social (nominalmente 1,77% de salário do empregador + 19,5% de salário do empregado + 1,8% a 3% de pence opcional), 20% de rendimento21% (Taxas reduzidas 5%, 9%)
Luxemburgo24,94% (actividade comercial); 5,718% sobre rendimentos de propriedade intelectual, royalties.43,6% (40% de imposto sobre o rendimento + 9% de sobretaxa de solidariedade calculada sobre o imposto sobre o rendimento)17% (Taxas reduzidas 3%, 8%, 14%)
Malta35% (6/7 ou 5/7 abatimentos fiscais dão uma taxa efectiva de 5% ou 10% para a maioria das empresas)35% (10% adicionais do empregado para contribuições de segurança social, ou seja, seguro de saúde, pensão e educação); e 10% adicionais do empregador para contribuições de segurança social diversas).18% (Taxas reduzidas de 5%, 7% e 0% para necessidades da vida – mercearias, água, medicamentos prescritos, equipamento e material médico, transportes públicos, despesas de educação das crianças)
Países Baixos25% acima de 200.000 euros de lucro, caso contrário 16,5%.49,5% (excluindo o desconto para rendimentos até 98.604 euros)21% (taxa reduzida de 9% e 0% para alguns bens e serviços)
Polónia19% (taxa reduzida de 9% para pequenas empresas a partir de 01.01.2019)17% até 85 528 zł (a partir de 1.10.2019)32% acima de 85 528 zł (~20 000 euros)23% (taxas reduzidas de 5% e 8%)
Portugal21% + 3 a 9% dependendo do lucro48% + 5% sobretaxa de solidariedade + 11% segurança social (a cargo do trabalhador) + 23,75% (segurança social a cargo da empresa)23% (taxas reduzidas 13% e 6%)
RoméniaReceitas 1 milhões de euros: 16% do lucroEmpregado: 41,5% [10% de imposto sobre o rendimento (sobre as deduções brutas de pensão e saúde), 25% de contribuição para a pensão (sobre bruto), 10% de contribuição para a saúde (sobre bruto)]. – Rendimento bruto inferior a RON 3.600 benefícios de deduções pessoais até RON 1.310 do rendimento tributável. Empregador: 2,25% (seguro de emprego obrigatório).19% (taxas reduzidas de 9% e 5%)
Eslováquia21% 50% (imposto sobre o rendimento 19% + 25% para a parte do rendimento anual que exceda 35.022,31 euros; contribuições adicionais a 4% para o seguro de saúde obrigatório do trabalhador e 10% para a entidade patronal, 9,4% para o trabalhador e 25,2% para a segurança social da entidade patronal)20% (taxa reduzida de 10%)
Eslovénia19%50%22% (taxa reduzida 9,5%) – a partir de 1 de Julho de 2013
Espanha25% (4% nas Ilhas Canárias) Taxa máxima de imposto sobre o rendimento de 45%. Excluindo as contribuições dos trabalhadores de 6,35% da segurança social, 4,7% das contribuições para a pensão, 1,55% do imposto de desemprego e 0,1% do imposto sobre a formação dos trabalhadores. Excluindo as contribuições patronais para a segurança social de 23,6%, 5,5% de imposto sobre o desemprego, 3,5% (ou mais) de imposto sobre as contribuições dos trabalhadores, 0,06% de imposto sobre a formação dos trabalhadores e 0,2% de imposto FOGASA (imposto sobre o emprego em caso de falência de uma empresa).21% (taxas reduzidas 10% e 4%)
Suécia22% (21.4% 2019, 20.6% 2021)55,5%, incluindo a segurança social paga pelo empregador25% (taxas reduzidas 12% e 6%)

Dados extraídos das taxas de imposto na Europa

A estrutura empresarial certa: a lei certa: incorporar na Europa

As empresas do Canal têm uma vasta experiência na assistência a empresas internacionais para estabelecer ou expandir as suas operações na Europa. Abaixo encontra-se uma lista de organizações a considerar quando se cria uma empresa na UE. A nossa experiência é extensa e podemos ajudá-lo com todas elas. Mais do que nunca, pode ser do seu interesse fazê-lo à distância. Uma vez estabelecida a sua empresa, pode utilizar a nossa plataforma online para gerir todos os seus processos empresariais localmente a partir de qualquer parte do mundo.

As sociedades limitadas são benéficas para as pequenas e médias empresas. O capital mínimo requerido é de 1 euro nominal e o proprietário deve ter pelo menos um accionista e um gestor autorizado (que pode ser estrangeiro).

A Societas Europaea (SE) é um tipo de sociedade de responsabilidade limitada, adequada para pequenas e médias empresas. A vantagem é que permite que as empresas operem sob os mesmos princípios em diferentes países europeus. Isto facilita a relocalização da empresa para outro país europeu.

As empresas são ideais para grandes empresas. Neste caso, o capital mínimo deve ser de 2 milhões de coroas suecas. No momento da incorporação, os proprietários são obrigados a reembolsar pelo menos 30 % deste montante. No entanto, os investidores são apenas responsáveis pela sua contribuição para a criação da empresa.

Um gabinete de representação (gabinete de ligação) pode operar um número limitado de gabinetes no novo país. Como tal, um escritório de representação não tem personalidade jurídica e não pode envolver-se em actividades comerciais directas. Deve ser nomeada uma pessoa localmente responsável para representar os interesses da empresa-mãe e para desempenhar as funções relevantes.

As sucursais são uma opção adequada para aqueles que desejam expandir um negócio existente para novos mercados. No entanto, é de notar que na maioria dos países europeus, uma sucursal não confere um estatuto legal à empresa. Uma sucursal pode continuar a fazer negócios da mesma forma que a empresa-mãe, uma vez nomeado um director local.

Bem-estar das empresas

A UE oferece uma série de incentivos ao desenvolvimento económico, a maioria dos quais varia de região para região. Na Polónia, por exemplo, foram criadas “zonas económicas especiais” para atrair investidores estrangeiros e impressionantes benefícios fiscais para as empresas. Os regimes fiscais de investigação adoptados em vários países europeus proporcionam incentivos fiscais significativos para várias despesas relacionadas com a investigação. Da mesma forma, na República Checa, os investidores podem obter uma isenção de imposto predial por cinco anos e uma isenção de imposto sobre as sociedades por dez anos.

No entanto, existem regras estritas sobre o apoio local que um país pode prestar, uma vez que a legislação da UE sobre auxílios estatais proíbe subsídios a empresas privadas que restrinjam a livre concorrência Durante o período da COVID, todos os Estados-Membros aumentaram os pacotes de apoio social às empresas, incluindo compensações substanciais aos trabalhadores e incentivos fiscais. Por exemplo, a República Checa introduziu empréstimos sem juros até 15 milhões de coroas suecas para PMEs que perderam contratos.

Regulamentação do mercado de trabalho na Europa
A UE tem um mercado de trabalho amigável que assegura o funcionamento e distribuição mais eficientes dos trabalhadores. O crescimento do emprego é mais estável e positivo do que nos EUA, com mais jovens profissionais entre os 15-25 anos (15,3% na UE e 14,1% nos EUA).

Se contratar alguém na UE, deverá cumprir os requisitos mínimos estabelecidos no Estatuto do Pessoal da UE. Podem ser contratos a tempo inteiro, a tempo parcial, a termo certo ou temporários. Se contratar um empregado, deve notificar por escrito os termos e condições de emprego entre um dia e dois meses (dependendo do país) antes de começar a trabalhar. O processo de concurso deve respeitar as regras de não discriminação estabelecidas pela UE. Todos os trabalhadores devem ter pelo menos 15 anos de idade (os limites de idade variam de país para país). Os jovens dos 15 aos 18 anos podem trabalhar 8 horas por dia, 40 horas por semana. Existem também despedimentos em massa, que são considerados despedimentos colectivos (dependendo da dimensão da sua empresa) – o Canal Empresas pode ajudá-lo durante todo o processo de procura e contratação das pessoas certas para o seu negócio.

Protecção social e sanitária na UE

Na UE, as regras da segurança social variam de país para país, mas a UE assegura que o seguro para todos os cidadãos é válido em todos os Estados-Membros da UE (incluindo Islândia, Liechtenstein, Noruega, Suíça e Reino Unido). As regras gerais incluem.

Cada cidadão só paga contribuições para um país da UE. Contudo, isto não se aplica a países como os EUA, onde os cidadãos têm de pagar impostos sobre o seu rendimento mundial, independentemente do país em que vivem ou trabalham.
Todos os residentes têm os mesmos direitos que os cidadãos do país em que estão segurados.
A todos os nacionais é garantido que o período de tempo em que estiveram segurados, trabalharam ou viveram noutro país no passado será tido em conta no momento do pedido de prestações.
Como regra geral, um nacional pode requerer prestações pecuniárias num país, mesmo que seja residente noutro.

Iniciar um negócio na Europa: que países e cidades são os melhores?

É fácil criar uma empresa?

Várias grandes organizações internacionais, tais como o Banco Mundial, avaliam regularmente o ambiente económico em países de todo o mundo como favorável. O Índice do Ambiente de Negócios do Banco Mundial é uma medida objectiva de regulamentação e aplicação da lei em 190 países e cidades seleccionados em todo o mundo. O relatório cobre vários critérios importantes para fazer negócios, tais como a criação de uma empresa, construção, contratação de empregados, registo de propriedade, concessão de crédito, pagamento de impostos, comércio além fronteiras e execução de contratos.

De acordo com o relatório do Banco Mundial de 2018, os países mais bem classificados estão na Europa.

  • Dinamarca (3ª)
  • Noruega (7ª)
  • Reino Unido (9º)
  • Suécia (12º)
  • Finlândia (17º)

Outros grandes países europeus estão ligeiramente abaixo.

  • Irlanda (23º)
  • Alemanha (24º)
  • Áustria (26º)
  • Espanha (30º)
  • França (32ª)
  • Polónia (33º)
  • República Checa (34º)
  • Portugal (36º)
  • Suíça (38º)
  • Suíça (45º)
  • Italia (51º)

Até que ponto é competitivo o ambiente empresarial?

Outro indicador comummente utilizado é o Global Competitiveness Report (GCR), publicado anualmente pelo Fórum Económico Mundial. De acordo com a própria definição do Global Competitiveness Report, este “ajuda a identificar barreiras ao crescimento e, assim, a encorajar o desenvolvimento de estratégias apropriadas para alcançar um desenvolvimento económico sustentável”. ……. É a avaliação mais abrangente e autorizada dos pontos fortes e fracos das economias nacionais utilizada por governos, académicos e empresas”. De um modo geral, os países europeus têm uma classificação elevada, embora nem todos tenham mantido a sua classificação em relação ao ano passado. A secção “Key Country Characteristics” do relatório fornece uma visão geral dos pontos fortes da economia de cada país. Por exemplo, a Suécia, Finlândia e Dinamarca estão entre os 17 principais países em termos de estabilidade macroeconómica, com excedentes orçamentais saudáveis e baixos níveis de dívida pública. Por outro lado, a Alemanha ocupa o primeiro lugar em termos de qualidade das infra-estruturas, especialmente de transportes e comunicações. A França é também conhecida pelas suas excelentes infra-estruturas, particularmente nos transportes, comunicações e energia.

Liberdade económica

O Índice de Liberdade Económica politicamente muito conservador é um índice económico de 10 pontos publicado anualmente pela Heritage Foundation. Afirma que “a liberdade económica é o direito fundamental de cada indivíduo de controlar o seu próprio trabalho e propriedade”. Numa sociedade economicamente livre, as pessoas são livres para trabalhar, produzir, consumir e investir. Numa sociedade economicamente livre, o governo permite a livre circulação de trabalho, capital e bens e evita coerção e restrições à liberdade para além do necessário para proteger e manter a própria liberdade. Com base nesta definição e em 10 critérios-chave (tais como liberdade de empreendimento, liberdade de comércio, liberdade de moeda e direitos de propriedade), os autores do relatório classificaram 186 países. Surpreendentemente, o país europeu mais bem classificado é a Suíça (4º), seguido da Irlanda (6º) e do Reino Unido (7º), com apenas os países europeus no top 10 (curiosamente, o Canadá e os Estados Unidos estão no 8º e 12º lugar, respectivamente).

Corrupção, práticas corruptas, crime organizado e outros vícios

Em muitos países europeus, a corrupção é parte integrante dos negócios. No entanto, a maioria dos países europeus tem níveis baixos ou moderados de corrupção e não constitui um obstáculo importante à realização de negócios.

O Índice Anual de Percepções de Corrupção (IPC) da Transparency International é um instrumento útil para medir o impacto da corrupção na vida quotidiana, na política e na economia em 180 países. O Índice de Percepção da Corrupção (IPC) é um “inquérito de inquéritos” baseado em 13 avaliações de peritos diferentes e um inquérito a empresários.

As classificações de 2019 mostram que os países nórdicos e da Europa Central como um todo têm classificações de corrupção muito baixas de acordo com o IPC imparcial.

  • Dinamarca (1º lugar)
  • Finlândia (3ª)
  • Suécia (4ª)
  • Suíça (4.º)
  • Noruega (7ª)
  • Países Baixos (8º)
  • Luxemburgo (9º)
  • Alemanha (9º)
  • Islândia (11º)
  • Reino Unido (12º – sorteio)
  • Áustria (12º – sorteio)
  • Bélgica (17º)
  • Irlanda (18º)
  • França (23º)

Entretanto, os países do sul da Europa onde a corrupção irá prevalecer em 2019, de acordo com o relatório, são.

  • Portugal (30º)
  • Espanha (30º)
  • Chipre (41º)
  • Malta (50º)
  • Italia (51º)

Vários países da Europa Oriental e do Sudeste também se classificam relativamente baixo no índice de corrupção do relatório.

  • Estónia (18)
  • Polónia (41º)
  • Eslovénia (35º)
  • Lituânia (35º)
  • Letónia (44º)
  • República Checa (44º)
  • Eslováquia (59º)
  • Grécia (60º)
  • Croácia (63º)
  • Montenegro (66º)
  • Roménia (70º)
  • Hungria (70º)
  • Arménia (76º)
  • Turquia (91º)
  • Sérvia (91º)

É também interessante notar que algumas das antigas repúblicas soviéticas da Europa de Leste têm, segundo relatórios independentes, as taxas de corrupção mais elevadas do mundo.

  • Bielorrússia (70º)
  • Bulgária (74º)
  • Kosovo (101ª gravata)
  • Bósnia e Herzegovina (101ª gravata)
  • Macedónia do Norte (104º)
  • Albânia (106º)
  • Ucrânia (126º – sorteio)
  • Quirguizistão (126º – sorteio)
  • Rússia (137º)
  • Turquemenistão (65º)

As principais cidades comerciais da Europa

Cushman & Wakefield, uma empresa privada de serviços imobiliários comerciais, publica anualmente o European City Monitor, um inquérito às principais cidades comerciais da Europa, com base em dados e classificações das 500 maiores empresas da Europa. O inquérito centra-se nos temas das “Melhores Cidades para as Empresas” e “Melhores Cidades para as Empresas Hoje”, com uma série de critérios que incluem qualidade de vida, comunicações, acesso ao mercado, disponibilidade e qualidade do pessoal, custo do espaço de escritório e transporte. Londres tem mantido a sua posição cimeira desde que o inquérito começou em 1990. Estas são as 10 principais cidades europeias para as empresas.

  1. Londres
  2. Paris
  3. Amsterdão
  4. Berlim
  5. Frankfurt
  6. Copenhaga
  7. Munique
  8. Dublin
  9. Milão
  10. Viena

Em particular, Praga e Varsóvia subiram constantemente na classificação desde que aderiram à UE e estão no 21º e 23º lugar, respectivamente, no último inquérito. De acordo com a Cushman & Wakefield, Varsóvia deverá receber o maior afluxo de empresas nos próximos cinco anos, o que a torna uma alternativa popular a Moscovo. Contudo, não é apenas a classificação geral que é importante, mas também as categorias individuais das quais faz parte. Entre as capitais europeias, Varsóvia ocupa o primeiro lugar em termos de trabalhadores qualificados, baixos custos, disponibilidade de espaço de escritório e ambiente empresarial positivo por parte do governo. Londres, pelo contrário, lidera o mundo empresarial europeu, mas ocupa uma posição mais baixa em termos de custos de mão-de-obra, custos de espaço de escritório e níveis de poluição (do European Cities Monitor).

PME europeias e empresas em fase de arranque

Contudo, é de notar que embora Londres, Paris e Frankfurt possam ser atractivas para as grandes empresas europeias, não são necessariamente importantes para as PMEs e empresas em fase de arranque. É importante determinar o que a sua empresa ou negócio necessita antes de confiar na investigação apresentada neste artigo.

Para mais informações sobre países específicos, ver o website do Departamento de Comércio dos EUA. (export.gov) tem secções específicas para cada país e também fornece guias comerciais específicos para cada país, detalhando o ambiente empresarial e de investimento nos países europeus. Estes guias são uma valiosa fonte de informação para quem está a considerar a expansão para outros países e fornecem uma visão detalhada do mercado, bem como informação detalhada sobre os desafios do mercado, oportunidades de mercado e estratégias de entrada no mercado.

Se precisar de mais análises e informações sobre um país e estiver disposto a pagá-las, vá ao website da Economist Intelligence Unit (EIU), uma empresa de investigação e consultoria que fornece análises de países, indústrias e gestão em todo o mundo. Fornece relatórios mensais por país, previsões económicas quinquenais para países específicos, relatórios de risco por país, relatórios sectoriais específicos, etc. A EIU também realiza investigação aprofundada para empresas que requerem análises de mercados ou sectores empresariais específicos.

Em conclusão

O mercado europeu é uma opção segura, promissora e atractiva para iniciar um negócio. Com muitos países à escolha e acesso ao mercado único europeu, não se pode errar com a Europa como um destino de investimento. Contacte o Canal Empresa para discutir o seu próximo passo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.