Ter. Ago 2nd, 2022
Empreendedorismo contra o aumento dos preços em Miranda de Ebro

Entrepreneurship contra aumentos de preços em Miranda de Ebro

Empreendedorismo contra o aumento dos preços em Miranda de Ebro

O aumento exponencial do custo de produtos e mercadorias não está apenas a afectar as grandes empresas, mas também as empresas e representa uma séria ameaça para as empresas. Mesmo que seja bem sucedida no final, como foi o caso do novo negócio que irá abrir este fim-de-semana na Plaza de Abastos.

Após o encerramento do único estabelecimento especializado na venda de bacalhau em Gaitán, situado na Calle Ramón y Cajal em Miranda de Ebro, Belén Ruiz, proprietária de Huevería Nicolás, viu a oportunidade de expandir o seu negócio. “Notei que ainda havia interesse neste bacalhau e decidi incluí-lo na minha oferta e assumir a banca do lado, que estava fechada”, diz ela. No entanto, aumentos exorbitantes de preços para a grande maioria dos produtos e outros problemas ameaçaram seriamente a abertura: “Hesitamos em abrir porque, no final do dia, quando se vende electricidade, gasóleo, comida… tem de se obter tudo de algum lado, diz ele.

O aumento é evidente “a todos os níveis….. Tanto os produtos de grandes empresas como a Danone ou Pascual, como os ovos que o meu irmão importa de Sagredo”. Apesar de tudo, o projecto continua e Belén espera ser capaz de servir o público “até sábado”.

Esta nova abertura na Plaza de Abastos em Miranda também ajudará ao desenvolvimento das outras bancas. “É muito perceptível quando se abrem novas bancas, porque aqueles que vão comprar na minha mercearia, por exemplo, também passam por outras empresas e podem comprar os seus produtos, e é esse o objectivo, que no final se possa comprar sem sair da praça”. A importância dos novos pontos de venda não reside na ocupação da nova banca, mas sim no facto de “estar menos vazia”, pelo que todo o ambiente do mercado“ganha vida”: “Quando se vê luz, vê-se movimento… as pessoas estão mais motivadas a vir”, diz o comerciante.

Ao contrário da grande maioria das empresas, a pandemia beneficiou o Mercado de Abastos porque “muitas pessoas novas e mais jovens vieram para cá”. Temendo a possibilidade de contrair a doença nos grandes supermercados, “eles conheceram-nos e ficaram na praça depois de terem provado a qualidade dos produtos que vendemos”, diz Belén.

A Plaza de Abastos tem um elevado valor acrescentado para a cidade. Belén considera-os o “centro” de qualquer cidade: “Quando viajo a algum lado, normalmente visito o mercado local, penso que são os símbolos das cidades. São lugares onde pode encontrar produtos locais que o ajudam a conhecer toda a área, algo que nenhum supermercado lhe pode oferecer”, diz ela.

Belén está no Mercado Miranda há 23 anos e, apesar da passagem do tempo, não perdeu a sua paixão: “Gostei quando estava a ajudar a minha mãe e gosto agora. Estar perante o público, falar com as pessoas, estabelecer objectivos de vendas, a confiança que o cliente lhe mostra… Adoro tudo” É este amor pelo trabalho que alimenta o seu desejo de melhorar e oferecer produtos cada vez melhores, “Tento tudo o que me trazem porque quero oferecer um bom produto, que pode encontrar na nossa Plaza de Abastos”, conclui Belén.

As viagens serão mais caras, mas um serviço excelente será mais apreciado.

As viagens de negócios estão a dar sinais de recuperação, mas a flexibilidade continua a ser um factor crítico no ressurgimento das viagens, à medida que as empresas se tornam cada vez mais conscientes da pegada ambiental das suas viagens. Isto foi confirmado no TIS (Tourism Innovation Summit) Business Travel Forum, cujos participantes concluíram que “as viagens irão certamente tornar-se mais caras no futuro,” como Ricardo Crespo, Director de Viagens e Convenções da AbbVie, salientou. Embora aquilo que as empresas e os viajantes frequentes mais valorizam hoje em dia seja, como salientou Asunción Pérez, Director de Vendas para Espanha da Air France-KLM, “excelência no serviço sobre o preço, especialmente em termos de segurança e rapidez de procedimentos”.

Como Ricardo Crespo salientou, o aumento dos preços das viagens de negócios deve-se ao aumento dos preços dos combustíveis e à redução da frequência dos voos. Isto significa “um problema para os empregados que têm menos opções quando se trata de organizar as suas viagens”. Pela sua parte, Asunción Pérez está empenhada em “poder melhorar a experiência aeroportuária”.

O Director Executivo fez uma forte defesa da necessidade de viagens profissionais para a actividade económica e criação de riqueza. Também fez uma previsão sobre os tempos que se avizinham: “As agências vão deixar de fazer reservas. As máquinas irão fazê-lo e os agentes irão tornar-se verdadeiros consultores.

Mas a política de viagens tem um problema, como Irene Manrique, chefe de turismo do BBVA, reconhece “porque a situação não é estável e é muito difícil de prever”. O director também sublinhou a importância de ouvir os viajantes a fim de satisfazer as suas necessidades.

O sector hoteleiro está a tentar adaptar-se a estas necessidades e, como Francisca Mérida, directora de vendas corporativas em Meliá Hotels International, diz, “num curto espaço de tempo avançou muito de um ponto de vista tecnológico” Esta evolução traduz-se em serviços mais ágeis, mais rápidos e personalizados.

A sustentabilidade está cada vez mais presente
Todos os participantes na sessão sobre o futuro do turismo de negócios, preparada e conduzida pelo MeetIN e pelo Forum Business Travel, concordaram que os programas de viagens estão a ter cada vez mais em conta critérios ambientais como uma prioridade.

De acordo com Rebecca Avila, chefe da CSR (Responsabilidade Social das Empresas) em Accor para o Sul da Europa, “é bom compensar as emissões, mas também podemos pensar em como evitá-las. É uma grande mudança de mentalidade. Obriga-nos a repensar como mudamos o nosso abastecimento“.

Ele acrescentou que “a responsabilidade por um planeta mais sustentável diz respeito a todos”. No entanto, recomendou que o enfoque não fosse apenas nas emissões: “Precisamos também de trabalhar na igualdade, diversidade, inclusão e desenvolvimento económico para os grupos mais desfavorecidos”.

O papel dos empregados

Os próprios empregados desempenham um papel fundamental na renovação das viagens de negócios. Em tempos de incerteza, insegurança e confusão, o trabalho dos gestores para melhorar a sua motivação é crucial.

Não é surpreendente que, segundo Nieves Rodríguez, fundador de Fastracktorefocus Coaching, um especialista em motivação profissional e liderança de pessoas. 70% das empresas falham nas suas iniciativas de mudança, os empregados são produtivos apenas 50% do tempo e apenas 41% do dia de trabalho está concentrado em tarefas realmente importantes.

Faltas e subida de preços no Natal, avisa

A crise mundial das matérias-primas e os problemas de transporte de contentores, especialmente da Ásia, afectaram Ceuta, onde se espera uma escassez durante a campanha de Natal e onde se espera que os preços aumentem consideravelmente nas próximas semanas.

Comerciantes, empresários e transportadores contactados advertem que é importante comprar antecipadamente, especialmente brinquedos, electrónica e computadores.

Esta situação é generalizada em todo o país, mas em Ceuta é ainda mais complicada devido à sua localização geográfica, o que significa que os prazos habituais de entrega dos produtos no continente são sempre sete dias mais longos. Isto pode causar problemas aos consumidores locais durante a época de compras de Natal se ocorrerem atrasos devido a prazos de entrega mais longos em Ceuta.

Segundo o presidente do href=”https://www.confeceuta.es/” target=”_blank” data-type=”URL” data-id=”https://www.confeceuta”. en/” rel=”noreferrer noopener”> Confederación de Empresarios de Ceuta, Pepe Dhanwani, embora a escassez de produtos nas lojas da cidade não seja percebida neste momento, é algo de esperar: “As previsões são alarmantes, os elevados custos de produção, os preços da energia, o aumento dos custos de transporte e o aumento da procura significam que haverá escassez de alguns produtos na cidade, embora não de todos, nem mesmo radicalmente”.

Dhanwani explica que a escassez de produtos será principalmente em brinquedos e electrónica: “Haverá escassez de alguns brinquedos, alguns telemóveis, consolas de jogos… mas não de todos eles, diz ele.

Os empregadores em Ceuta estão geralmente preocupados neste momento porque temem que o atraso chegue mesmo a tempo do Natal e que isto afecte grandemente a campanha.

“Alguns homens de negócios já estão a organizar as suas lojas para abastecer de mercadorias, outros irão compensar a escassez de alguns produtos com produtos semelhantes, mas haverá definitivamente perdas e isso irá prejudicar, mais ainda agora que deveríamos estar a viver uma recuperação,” diz o presidente dos homens de negócios.

Também são motivo de grande preocupação na cidade os aumentos de preços esperados nas próximas semanas devido a múltiplos factores, tais como o aumento da procura, o aumento dos preços da energia e o aumento dos custos de transporte. “Os preços irão subir e, em muitos casos, quando um empresário vê que não tem stock de um produto, irá comprá-lo através de empresas que o entregam por via aérea, o que irá aumentar ainda mais o custo”, diz Dhanwani.

No entanto, a Confederação dos Empregadores de Ceuta insiste que o comércio local deve ser apoiado nesta nova crise que se aproxima: “É importante que os residentes de Ceuta comprem na sua própria cidade, que o façam ocasionalmente, mas que não vão às compras ao estrangeiro porque isto pode ser muito prejudicial para o sector e depois coçaremos a cabeça quando virmos empresas fecharem,” avisou ele.

Escassez de bebidas alcoólicas de marca no mercado britânico

Quanto ao fornecimento de bebidas, os comerciantes Ceutí advertiram que a escassez será particularmente evidente nas bebidas espirituosas do mercado britânico, devido aos problemas de abastecimento que o país está a sofrer. No entanto, estão a enviar uma mensagem de calma a este respeito: “Pensamos que não haverá escassez de bebidas alcoólicas para brindar nesta época festiva. Os fornecedores locais e nacionais irão compensar as faltas com outras marcas. Podemos não ter todas as marcas populares de bebidas, mas haverá muito por onde escolher,” diz o presidente dos homens de negócios da cidade.

Por seu lado, o presidente do Centro Comercial Abierto de Ceuta, Juan Torres, manifestou a preocupação dos comerciantes do centro da cidade e da cidade velha que vendem brinquedos, bens digitais, ferragens, vestuário e calçado. Segundo Torres, tudo indica que haverá escassez de produtos na cidade, e ele aconselha os compradores a fazerem as suas compras com antecedência, especialmente se estiverem à procura de brinquedos ou quiserem algo específico. “Este ano não deve deixar as compras até ao fim porque corre o risco de não encontrar o brinquedo que procura, especialmente se for feito na Ásia ou se for um dos mais populares,” avisa Torres.

Apesar das más previsões, Juan Torres diz que a situação não é tão dramática como durante a pandemia, quando havia oferta mas não havia procura. “Agora que as pessoas querem comprar, o problema foi há alguns meses atrás quando as lojas estavam cheias de coisas e ninguém veio comprar”, explica ele.

Trazer um contentor da Ásia costumava custar 3.000 euros, agora o preço é superior a 18.000 euros.

Relativamente ao transporte de mercadorias, Luis de la Rubia, director da Marítima del Estrecho de Ceuta, confirmou a má situação do sector quando se trata do transporte de produtos provenientes da Ásia, embora não acredite que o problema afecte as necessidades básicas como a alimentação. “Não nos devemos preocupar porque haverá falta de alimentos ou necessidades básicas, o que veremos é uma escassez de mercadorias provenientes da Ásia, mas em Ceuta, em toda a península e no resto da Europa; não é apenas um problema local,” explica ele.

De la Rubia salienta que nos últimos meses houve um aumento de 2,000% no preço dos contentores em que as mercadorias são expedidas da Ásia: “Antes um contentor custava cerca de 3.000 euros por expedição, agora o mesmo contentor custava uns exorbitantes 18.000 euros. Isto significa que para muitos fornecedores de brinquedos, por exemplo, não é rentável entregar produtos, outros são atrasados e apenas as grandes empresas podem continuar a funcionar normalmente e suportar os custos,” diz o director.

“A nível local, acontecerá o mesmo que no resto de Espanha. Se houver falta de brinquedos em Huelva, haverá falta de brinquedos em Ceuta. O que penso que vamos ver e registar é um aumento significativo nos preços,” avisa De la Rubia. Acrescenta que esta situação não vai ser resolvida a curto prazo, e adverte para uma evolução negativa a este respeito nos próximos meses, falando mesmo de problemas de abastecimento na primeira metade de 2022.

“A escassez de produtos e o aumento dos preços não serão resolvidos a curto prazo, e tudo indica que irão piorar, pelo que compreendo que as autoridades terão de tomar medidas”, conclui ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

This site is registered on wpml.org as a development site.